(+55) 48 3206 8542
+

Médico perito é absolvido de pagar indenização de R$ 20 mil por alegado erro médico

Por: | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Comentários: 0

Advogado Erial Lopes de Haro (foto: Rubens Flôres)

 

Um médico perito do INSS foi absolvido após ter sido acusado de erro médico por ter ultrapassado, segundo o paciente, os limites de suas atribuições como perito nomeado pela Justiça Federal em uma ação envolvendo o INSS. Na ação, o paciente pediu R$ 20 mil de indenização por danos morais. A defesa do médico foi patrocinada pelo advogado Erial Lopes de Haro, do escritório Lopes de Haro & Machado Leal Direito Médico, que tem sede em Florianópolis (SC).

O paciente alegou que diante do conteúdo do laudo de exame pericial realizado pelo perito médico psiquiatra em uma ação contra o INSS, teve sua integridade psicológica e imagem perante terceiros abaladas. A acusação alegou também que o médico perito ultrapassou os limites de suas atribuições e de sua competência tecendo palavras desrespeitosas e afrontosas a honra do paciente.

Em sua resposta por meio do advogado Erial, o médico apresentou argumentando que ao ser submetido à perícia, o paciente sujeitou-se às conclusões que seriam obtidas por tal exame, de modo que o perito agiu no estrito cumprimento do dever legal, agindo conforme os quesitos formulados e seguindo os devidos critérios de diagnóstico. Deixando claro que todos os fatos postos no histórico e analisados no laudo não haviam de causar quaisquer danos ao periciado, pois foram frutos dos relatos do próprio paciente durante a anamnese e exame clínico. Não havendo, portanto, prova do ato ilícito que o paciente afirmava ter ocorrido.

Restando demonstrada a inexistência do alegado erro médico, assim decidiu o magistrado: No caso em apreço, não há prova do ato ilícito que a parte autora afirma ter ocorrido. Isso porque, as palavras que a parte requerente sustenta que seriam ofensivas e teriam causado o suposto dano moral, na verdade, não podem ser assim consideradas, porquanto a parte requerida as proferiu no âmbito de seu múnus, descrevendo apenas os resultados obtidos com o exame pericial (…). Na verdade, percebe-se que a parte autora não concordou com as conclusões alcançadas pela parte ré, no exercício do cargo de perito judicial, o que de forma alguma se confunde com um prejuízo moral, que pode ser resumidamente definido como um abalo à honra e/ou à personalidade da pessoa. Sendo assim, o médico foi absolvido.

O LHML Direito Médico é o maior escritório especializado exclusivamente na área do direito médico sul do Brasil.

 

thời trang trẻ emWordpress Themes Total Freetư vấn xây nhàthời trang trẻ emshop giày nữdownload wordpress pluginsmẫu biệt thự đẹpepichouseáo sơ mi nữHouse Design Blog - Interior Design and Architecture Inspiration