(+55) 48 3206 8542
+

LHML Direito Médico absolve Urologista de acusação de erro médico

Por: | Tags: , , , , , , , , , , , , , , | Comentários: 0

Tramitou na Justiça Catarinense ação de indenização por danos morais e materiais de um paciente contra médico urologista, sob a alegação de erro médico no ato cirúrgico. A defesa do profissional foi patrocinada pela advogada Vanessa Vieira de Almeida.

O autor da ação tinha uma anormalidade caracterizada por curvatura peniana, motivo pelo qual procurou o médico para a realização da cirurgia corretiva. O paciente alegou que após a execução do procedimento cirúrgico, acreditava que a anomalia em seu pênis havia sido resolvida, todavia, com o passar do tempo notou que o problema persistiu. Aventou, então, erro na conduta médica sustentando que o procedimento cirúrgico não foi exitoso por culpa do urologista.

O médico, por sua vez, apresentou defesa esclarecendo que a cirurgia transcorreu normalmente, sem qualquer intercorrência, infecção, hematoma ou hemorragia. Rebateu afirmando que esclareceu ao paciente e seus genitores a técnica que seria executada (plicaturas de fios cirúrgicos no corpo cavernoso oposto com a finalidade de retificar e realinhar a ereção), frisando, sobretudo, que apesar do prognóstico ser de bom resultado, tratava-se de procedimento complexo e que na tentativa de correção, vários fatores poderiam influenciar no resultado final, como a posisbilidade de haver recidiva do desvio, já que o resultado depende de fatores imprevisíveis, como: a incompatibilidade com o fio cirúrgico, deiscência de sutura, afrouxamento dos pontos por ereção involuntária, dentre outros.

Explicou ainda que ao retorno do paciente para reavaliação, solicitou parecer de outro profissional de larga experiência na área que certificou que, apesar do resultado não ter sido o esperado pelo paciente, não ocorreu conduta técnica equivocada. Frisou que agiu com todas as diligências possíveis e necessárias para a cirurgia, ressaltando que não causou a curvatura congênita peniana no paciente.

O juiz, em sua decisão, entendeu que “no caso concreto, os pedidos realizados na petição inicial não merecem agasalho, eis que a culpa do médico não restou devidamente comprovada nos autos. É necessário enfatizar que procedimentos médicos contam com um percentual de insucesso, eis que a medicina é uma área incerta e bastante peculiar no que tange aos resultados de métodos empregados. O autor, como expõe na narrativa da inicial, procurou o médico porque já possuía a curvatura peniana e não há menção de que tal quadro tenha se agravado em momento posterior ao procedimento ornamentado pelo médico. É muito crível que o insucesso da cirurgia tenha causado sentindo de frustração a um jovem de aproximadamente 18 anos, contudo, tal fato, por si só, não autoriza a condenação do profissional da saúde. Para tanto, seria necessário que se apurasse conduta indevida, danos efetivos, irresponsabilidade médica, utilização de procedimento errôneo com possibilidade de agravação do quadro do paciente e outros infortúnios, o que, efetivamente, não foi o caso concreto”.

Inexistente a culpa do médico quanto ao resultado infrutífero da cirurgia, fato aceitável na área da saúde, o processo foi julgado improcedente, sendo o urologista absolvido.

Leave a Reply

thời trang trẻ emWordpress Themes Total Freetư vấn xây nhàthời trang trẻ emshop giày nữdownload wordpress pluginsmẫu biệt thự đẹpepichouseáo sơ mi nữHouse Design Blog - Interior Design and Architecture Inspiration